Desequilibristas é também espetáculo musical

O livro Desequilibristas, escrito e ilustrado pelo músico, desenhista, escultor e poeta performático Manu Maltez, já premiado anteriormente com o Jabuti, é também um espetáculo musical. Ouça abaixo um trechinho da obra:

 

DESEQUILIBRISTAS_24_25

 

Desequilibristas é  lançamento de outubro da Editora Peirópolis. O artista, que passa as horas vagas nas pistas de skate da cidade – em especial a da Av. Sumaré, na capital paulista – transita entre essas linguagens com vigor e ousadia. A obra reúne desenhos e gravuras sobre o universo do skate e descreve de maneira poética os embates entre o skatista e a cidade. O artista põe traço e verbo sobre as rodas deste que é um dos movimentos culturais mais interessantes do espaço urbano contemporâneo.

A relação do artista com o skate teve início na década de 80, quando ainda era criança. “Comecei a andar de skate na década de 80, nesse mesmo bairro em que ainda moro hoje em dia, o Sumaré.  Apesar de ser uma criança, e depois adolescente, eu levava aquilo a sério, queria mesmo ser um skatista, viver daquilo, e andava quase diariamente nas ruas e ladeiras do bairro e na “Top Sport”, uma pista que existia no final da Cardoso de Almeida”, diz o autor. gravuras sobre o universo do skate e descreve de maneira poética os embates entre o skatista e a cidade. O artista põe traço e verbo sobre as rodas deste que é um dos movimentos culturais mais interessantes do espaço urbano contemporâneo.

Em meados dos anos 90, com o declínio do skate no cenário nacional, o interesse de Manu percorreu outras áreas, mas seu amor pela cultura do skate não desapareceu. ”Durante esse tempo, o skate ficou meio adormecido em mim, aí apareceram a música e o desenho, que, de certa forma, tomaram o lugar que ele tinha na minha vida”.

A ideia do livro surgiu em 2009, quando o parque Zilda Natel, uma pista de skate pública junto ao metrô Sumaré, foi inaugurado do lado de sua casa. “Eu saía do metrô e passava no parque para dar uma olhada, e foi despertando em mim novamente o interesse pelo skate. Lembro-me do barulho da pista, do skate batendo a madeira, ralando os eixos, e voltar a ouvir aquilo foi uma das coisas mais fortes que já senti. Então, arrumei um skate novo e voltei a andar”. “Acho que o skate é uma espécie de estetoscópio, com o qual você pode ouvir o coração da cidade”.

O livro traz uma visão particular sobre o movimento contemporâneo vivido atualmente pela cidade de São Paulo. Segundo o Manu, as imagens e o texto funcionam como uma espécie de poema “manifesto” feito para ser declamado em voz alta, em via pública. A essência cultural do movimento é registrada como forma de manifestação artística sobre rodas.

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com
Facebook
Instagram