Futuros imaginários – prefácio de Wanderlynne Selva

Esta é a primeira obra de Richard Barbrook editada no Brasil, e representa a convergência de conceitos explorados por ele em outros influentes ensaios sobre o confronto entre comércio e cooperação dentro da Internet, como O manifesto do artesão digital, escrito com Pit Schultz, A economia da dádiva da alta tecnologia, Ciber-comunismo, A regulação da liberdade, A ideologia californiana, escrito com Andy Cameron, e A classe do novo. Aliando a infância nos Estados Unidos, uma fase punk adolescente na Inglaterra, sua trajetória acadêmica e a atuação em rádios piratas e comunitárias, os trabalhos de Richard, autoproclamado “trabalhador esquerdista”, são uma radical crítica à ideologia da ciber-elite neoliberal californiana de que, no futuro da alta tecnologia, todos poderão ser trabalhadores criativos. Em seus trabalhos anteriores, Barbrook argumenta que a rede permite a emergência de comunidades virtuais espontâneas e flexíveis, definidas mais por convenção social do que troca de mercado, e que a importância das inovações tecnológicas está justamente na sua habilidade de contestar as ideologias dos líderes de opinião. O autor discorre, então, sobre os ícones da produção não-comercial da rede: o movimento do software livre e de código aberto e os blogs, apontando que os participantes desta economia da dádiva da alta tecnologia não precisam pensar sobre as implicações políticas de seus métodos de trabalhar colaborativamente, mas nem por isso deixam de participar de uma forma de cibercomunismo. Na rede, pessoas constantemente passam de uma forma de ativi­dade social à outra, sendo consumidores no mercado, cidadãos no estado e anarco-comunistas em economias de dádiva. Enquanto ela cresce, cada vez mais pessoas circulam informação gratuitamente.

Longe de acreditar no potencial revolucionário de suas ações, fazem isso por razões pragmáticas. Algumas vezes compram bens ou acessam serviços estatais, mas normalmente preferem circular informação gratuitamente entre si. Na Internet, muitos usuários com tempo e dinheiro suficiente doam o seu trabalho sem motivações financeiras, mas sim para ganhar o respeito dos seus pares pelo seu esforço. Esta seria a forma mais avançada de trabalho coletivo: o trabalho como dádiva. Sem precisar de liderança de uma elite heróica, pessoas comuns podem construir seu próprio futuro digital. Mesmo com seu poder e riqueza, as multinacionais multimídia não são capazes de impor a mercantilização do trabalho intelectual no ciberespaço. A classe do novo sempre existiu como um nível intermediário de assalariados, aqueles sem capital, mas que possuem outras potentes fontes de poder econômico, como educação, qualificação e conhecimento cultural. Ao invés de liderar o caminho para o futuro, disfarçados de “trabalhadores criativos”, “analistas simbólicos”, “industriais” e, até mesmo na definição de Décio Pignatari, “prodossumos”, esses trabalhadores continuam a realizar os desejos daqueles que dominam o mundo. O trabalho do autor converge na extensa pesquisa efetuada em Futuros imaginários. Neste livro, Richard parte do questionamento de que o futuro oferecido a ele, como um adulto nos anos 2000, é o mesmo que o fascinou quando criança, enquanto visitava a Feira Mundial de Nova Iorque em 1964. No entanto, as promessas dos benefícios futuros à sociedade que justificaram patrocínio governamental, protecionismo e investimentos – além da morte de milhares de pessoas – não se realizaram: “A revolução tecnológica não causou a revolução social; por alguma razão, a utopia foi adiada.”

O autor investiga o histórico das feiras tecnológicas, oferecendo-nos a perspectiva do futuro como um evento na História. Demonstra, assim, como facções competidoras lutaram para obter o poder midiático, oferecendo-nos objetivos tecnológicos comuns, aproveitando-se de nossa necessária crença no futuro. Aqueles que no passado nos ofereceram um futuro melhor o fizeram para garantir uma “calma” continuação do presente. Protegendo a elite mais do que o poder militar é capaz, o poder da mídia é necessário para caracterizar o presente como o passado de um futuro glorioso. Através de uma pesquisa profunda e ampla das políticas econômicas e sociais da Guerra Fria, Barbrook amarra diversos discursos para nos revelar as verdadeiras intenções de vários atores na academia, no governo e na indústria, e as motivações reais por trás de ações que levaram a um determinado desenvolvimento tecnológico. A corrida entre os Estados Unidos e a União Soviética na Guerra Fria não era só por armas. Enquanto os Estados Unidos da América saíram da Segunda Guerra Mundial como um superpoder industrial, a União Soviética controlou o futuro ideológico. Os estadunidenses precisavam de um futuro ainda mais brilhante para ganhar a crucial batalha da propaganda durante a Guerra Fria e, para isso, formaram um novo núcleo ideológico, baseado nas teorias marxistas e mcluhanistas: a Esquerda da Guerra Fria. Em sua análise, Barbrook revela alguns paradoxos no centro da máquina de financiamento estadunidense causados por essa ideologia: fundos de pesquisa militares, inicialmente voltados às tecnologias nucleares e computacionais para competir com os russos, acabaram financiando o comunismo cibernético.

Demonstra que os Estados Unidos, como nação mais liberal do planeta, deveriam estar mais avançados no caminho para o socialismo. Porém, para negar o estalinismo, a Esquerda da Guerra Fria precisou criar sua própria versão do futuro socialista: em vários momentos entre 1950 e 2000, a sociedade da informação foi identificada como um plano de estado, uma máquina de guerra, uma economia mista, um campus universitário, uma comuna hippie, um livre mercado, uma comunidade medieval e uma empresa ponto com. Com uma visão politizada e radical da tecnologia, Barbrook apresenta neste livro uma alternativa contrária à doutrina mcluhanista: “a convergência da mídia, as telecomunicações e os computadores não libertam – nem nunca irão libertar – a humanidade. A Internet é uma ferramenta útil, não uma tecnologia redentora. O determinismo tecnológico não molda o futuro da humanidade: quem constrói o futuro é a humanidade em si, usando novas tecnologias como ferramentas.”

Para o leitor brasileiro, a análise histórica deste livro resgata memórias de futuros imaginários a nós oferecidos na ditadura militar. A reserva de mercado serviu para ampliar o desenvolvimento tecnológico nacional ou foi uma força mantenedora do status quo? No presente, a feira tecnológica continua sendo o lugar de legitimação do desenvolvimento. Grandes empresas e o governo justificam seus investimentos e ações em cima de versões futuras dos produtos fetíchicos que devemos consumir no “agora”. A exploração de nossos recursos naturais e a poluição são justificadas no futuro, onde todos terão acesso aos bens tecnológicos. A exploração do trabalho continua de maneira perversa na eliminação do escritório: do seu celular ou de sua casa na praia, cidadãos e cidadãs criativos devem contribuir com sua produção 24 horas por dia, sete dias por semana. O manual técnico que acompanha as maravilhas tecnológicas divulga a linguagem dos bytes e gigas, servindo como instrumento de determinação dos objetos técnicos. Os usuários não precisam entender ou se apropriar das tecnologias, pois não devem inventar novos usos para elas. Num país onde o fim da injustiça social, e até mesmo o fim da prostituição infantil e da escravidão, ainda são um futuro a imaginar, a leitura deste livro é reveladora. Com base nesta análise histórica, o leitor poderá compreender e criticar as verdadeiras motivações por trás de atuais políticas públicas de acesso à banda larga e à TV Digital. A convergência dos dispositivos de acesso não será responsável pela revolução se a população não for capaz de usá-la para além do uso imposto pela grande mídia. A leitura de Futuros imaginários é importante por nos oferecer a perspectiva de conquistar o nosso próprio futuro. Onde é possível chegar se conseguirmos aliar a força do mutirão popular à colaboração e ao trabalho criativo em rede? Qual será o futuro da educação após os alunos ocuparem definitivamente a reitoria? A democracia social é capaz de se desvencilhar das forças do futuro imaginário estabelecido pelo poderio econômico estadunidense?

Wanderlynne Selva

A Classe do Novo

Cantochão das antífonas pequenas (por Marcos Ferreira-Santos)

Cantochão das antífonas pequenas (por Marcos Ferreira-Santos), prefácio O cantochão é um estilo conhecido no mundo ocidental em função de sua importância sagrada nas liturgias católicas e ortodoxas, sobretudo, no mundo medieval. Polifonia de vozes que repetem, em latim, quase que em transe, uma métrica e uma melodia que percorrem as paredes do templo e

Mais +
A Instrumentalina, de Lídia Jorge: de bicicleta se vai longe

Chamada de “transporte de delícia”, a Instrumentalina impulsiona todas as transformações da família, uma vez que é objeto condutor de sonho e símbolo de liberdade e prazer. Nos duros anos de ditadura vividos pela sociedade portuguesa na primeira metade do século XX – pano de fundo que emoldura a narrativa –, essa família experimentou algo único e inusitado. (prefácio de Solange Cardoso)

Mais +
Prefácio de Zico – Futebol-Arte, de Caio Vilela

Falar de peladas é falar da minha própria história. Graças às peladas é que cheguei até onde cheguei. Eu saí de lá, tabelando com o meio-fio, com a parede, jogando em cima do paralelepípedo e da terra batida. Descalço, arrebentei muitas vezes a cabeça do dedão do pé. Doía, levantava a pele, sangrava, mas eu

Mais +
Prefácio de Magda Soares

Prefácio de Magda Soares ao livro Quando o segredo se espalha.

Mais +
PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com