Aluísio Azevedo

O escritor Aluísio Azevedo nasceu em São Luís do Maranhão, em 14 de abril de 1857, e morreu em Buenos Aires, Argentina, em 21 de janeiro de 1913. Reconhecido no cânone da literatura brasileira como precursor do Naturalismo, Aluísio foi um dos mais importantes escritores brasileiros da segunda metade do século XIX. Irmão do dramaturgo e jornalista Arthur Azevedo, dedicou-se ao desenho, à pintura e à caricatura antes de enveredar pela escrita. Sua vida no Rio de Janeiro começou em 1876, quando se transferiu para a capital para estudar Belas Artes. A partir daquele momento, passou a ganhar seu sustento como desenhista, trabalhando em periódicos cariocas. Sua carreira literária começa no Maranhão, quando retorna, em 1878, devido à morte de seu pai. Um ano depois, lança sua primeira novela, Uma lágrima de mulher, de tom fortemente romântico. Dois anos depois ele publica O mulato, obra que chocou a sociedade reacionária da época, uma vez que o autor já era abolicionista convicto. O sucesso alcançado com O mulato leva-o de volta ao Rio de Janeiro, onde passa a viver exclusivamente da literatura, escrevendo novelas, contos, crônicas e peças teatrais. Com O mulato, Aluísio Azevedo é considerado o precursor da estética naturalista no Brasil. Depois vieram Casa de pensão (1884) e O cortiço (1890), os três romances que formam a sua célebre "trilogia naturalista". Essa escolha pelo naturalismo deveu-se à influência de escritores europeus, especialmente Émile Zola. Lendo-o, Aluísio tomou contato com uma literatura crua, que descortina a mediocridade das relações, da política e do indivíduo, opção fortemente contrária à do romantismo. Hoje, a crítica literária começa a reconhecer outras vertentes de sua obra, como aquela expressa no livro de contos Demônios. O grande talento e criatividade fizeram de Aluísio um escritor múltiplo, levando-o a navegar por tantas diferentes águas. Outro motivo que o levou à produção diversa foi, certamente, a necessidade de viver do ofício. Aluísio foi um dos poucos escritores brasileiros que, durante grande parte da sua vida, viveu exclusivamente da escrita literária e do jornalismo. Após se tornar conhecido como escritor, Aluísio fez concurso para a carreira diplomática. Ao ser admitido, em 1895, acabou por abandonar a literatura. Serviu na Espanha, Itália, Inglaterra, Japão e Argentina. Aluísio Azevedo é o fundador da cadeira número quatro da Academia Brasileira de Letras.

Facebook
Instagram